Home | Mapa do Site

     

Como é que a memória trabalha com o processador

A CPU, ou processador, é vulgarmente referida como o cérebro do computador. É aqui que todos os cálculos (computação) são efectuados.

O chipset suporta o processador. Contém normalmente diversos controladores que gerem a forma de como a informação circula entre o processador e todos os outros componentes do sistema.

Alguns sistemas têm mais do que um chipset. O controlador de memória faz parte do chipset, e é esse controlador que determina a forma de como a informação flui entre a memória e o processador.

O bus é um caminho de dados no computador constituido por fios pararelos aos quais o processador, a memória e todos os dispositivos de entrada e saída estão ligados. O design do bus, o a arquitectura do bus, determina quantos dados e a que velocidade os dados podem circular dentro da placa mãe. Há vários tipos de bus num sistema, dependendo da velocidade necessária a cada componente em particular. O bus da memória corre desde o controlador de memória até às ranhuras de memória. Os sistemas mais recentes têm uma arquitectura de bus em que um bus frontal (frontside bus) corre desde a CPU até à memória principal e um bus de rectaguarda (backside bus) que corre desde o controlador de memória até à cache de nível 2 do processador (L2 cache).

VELOCIDADE DA MEMÓRIA

Quando o processador precisa de informação da memória, envia um pedido que é gerido pelo controlador de memória. O controlador envia o pedido à memória e reporta ao processador quando a informação estiver diponível para ser lida pelo processador. Este ciclo completo - desde o processador até ao controlador de memória e de volta ao processador - pode variar na sua duração de acordo com a velocidade da memória e outros factores, como a velocidade do bus.

A velocidade da memória é medida por vezes em MHz ou em termos de tempo de acesso - o tempo que leva a disponibilizar informação - medido em nanosegundos (ns). Tanto medida em MegaHertz ou nanosegundos, a velocidade da memória dá-nos a indicação de quão rápido é que a memória, por si só, consegue responder aos pedidos do processador.

TEMPO DE ACESSO (NANOSEGUNDOS)

O tempo de acesso é medido desde o momento em que a memória recebe um pedido de dados até ao momento em que esses dados ficam disponíveis. Os chip de memória e os módulos são marcados com tempos de acesso que vão dos 80ns até aos 50ns. Um tempo de acesso baixo indica uma velocidade baixa, por outro lado, um tempo de acesso alto indica uma velocidade de memória baixa.

tempo de acesso da memoria

MEGAHERTZ (MHZ)

Desde a tecnologia Synchronous DRAM (SDRAM), os chips de memória têm a capacidade de se autosincronizar com o relógio do sistema (computer system clock), tornando mais fácil a medição em megahertz, ou milhões de ciclos por segundo. Devido ao facto de este ser o processo de medição da velocidade de todo o sistema, é mais fácil comparar a velocidade dos diferentes componentes e sincronizar as suas funções. Para percebermos melhor a velocidade, é importante perceber o que é o relógio do sistema (Computer System Clock) it makes it easier to compare the speeds of different components and synchronize their functions. In order to understand speed better, it’s important to understand the system clock.

RELÓGIO DO SISTEMA (COMPUTER SYSTEM CLOCK)

O relógio de Sistema do computador reside na Placa Mãe. Envia um sinal a todos os componentes do PC com um detrminado ritmo, ou ciclo.  Este ciclo é tipicamente desenhado em ondas quadradas, como a figura seguinte:

ondas quadradas

Mas, na realidade, o sinal de relógio enviado quando observado num osciloscópio é mais parecido com a figura seguinte:

onda

Cada onda neste sinal mede um ciclo de relógio. Se um determinado relógio de sistema corre a 100MHz, isto significa que existem 100 milhões de ciclos de relógio por segundo. Cada acção no computador é temporizada por estes ciclos de relógio, e cada acção demora determinado número de ciclos de relógio a completar. Quando se processa um pedido à memória, por exemplo, o controlador de memória pode reportar ao processador que a data ficará disponível após 6 cliclos de relógio.

É possível ao processador ou outros componentes correrem mais depressa ou mais devagar que o relógio de sistema. Os componentes com velocidades diferentes simplesmente requerem um factor de multiplicação ou divisão para ficarem sincronizados. Por exemplo, quando um relógio de sistema co-habita com uma CPU a 400MHz, cada componente percebe que a cada ciclo de relógio do sistema equivalem a 4 ciclos na CPU; utilizam um factor de 4 para sincronizarem as suas acções.

Muitas pessoas pensam que a velocidade do processador é a velocidade do computador. Mas, na maioria das vezes, o bus do sistema e os outros componentes têm velocidades muito diferentes.

 

seguinte >>